sexta-feira, 17 de Outubro de 2008

DIA MUNDIAL DA ALIMENTAÇÃO



Olá amigos!


Como sabem ontem foi dia da alimentação. Como tive algum trabalho que fazer não consegui colocar informações sobre este tema. Mas aqui vai...


Reportagem para Farmácias.com.pt


Entre filosofias de que “magreza é beleza” e que “gordura é formosura” será que a nossa história vai ter um final feliz?
Atualmente, a obesidade é um problema de saúde pública que tem vindo a aumentar. Prova disso, é o último relatório da OMS/FAO publicado em 2003, onde refere que a epidemia da obesidade atingiu já em 2003 quase todos os países ricos e pobres.
Na maioria dos países europeus a prevalência da obesidade é de 10% A 25%, e o caso português é ainda mais alarmante visto que 35,2% dos portugueses teem excesso de peso e que 14% são obesos.
Cláudia Silva, nutricionista falou-nos sobre a sua preocupação e alertou-nos para o perigo da obesidade infantil: “a obesidade em Portugal é um problema de saúde pública e penso que esta a aumentar, e esta a aumentar numa faixa etária preocupante que é nas crianças e adolescentes e é preocupante porque é neles que recorremos o risco de virmos a ter adultos obesos”, afirma.




De fato, são nos pré adolescentes que isto se torna mais visível. No ensino básico, as crianças são ensinadas a terem uma alimentação saudável, aprendem a roda dos alimentos e as escolas costumam praticar uma politica de alimentação saudável nas suas cantinas e bares.



Isabel de 12 anos conta-nos que costuma comprar nos intervalos da escola um sumo e um bolo ou um pão com manteiga porque “na escola não vende gomas e chocolate”.
Na realidade, são nestas idades que as crianças estão, de certa forma, protegidas pois enquanto ainda comem nas cantinas estão “sujeitos” a terem como sobremesa uma peça de fruta ou iogurte, levar uma salada a acompanhar a refeição, levar sopa e uma água para beber. Quando chegam a casa, na maioria das vezes devido ao ritmo de vida dos pais, isso nem sempre é possível. “Sopa, nem sempre, só quando tomo na escola” na realidade consumem peixe com pouca regularidade, dai que seja essencial fundamentar o gosto e a rotina do seu consuma nas escolas."


É na pré adolescência que o caso se torna mais preocupante pois é aí que eles começam a ter uma certa liberdade de escolha e aí nem sempre, muito raramente, ou nunca, almoçam nas cantinas das escolas, mas optam, por fazê-lo nos cafés e nas cadeias fast food mais próximas.




Cadeias de fast food

Susana, estudante de 15 anos revela que costuma tomar coca cola como pequeno-almoço! Apesar de surpreendente, afirma que é algo frequente entre ela e os seus colegas. Nos intervalos costumam repetir a dose.
Susana, revela ainda que come a sua comida preferida, pizza, com frequência.
Sandra, de 12 anos, afirma que se pudesse escolher entre comer fast food ou algo caseiro escolheria pizza!
De notar, que estes entrevistados, apesar de gostaram de fruta nunca a escolheria como sobremesa face a um bolo ou gelado.
Não há uma consciência real dos perigos de não ter uma alimentação saudável; e já se começam a sofrer esses efeitos, e a obesidade não é a única consequência de uma alimentação desequilibrada porque, além das doenças como o diabetes a anorexia, também tem vindo a aumentar, e de acordo com a nutricionista começam a surgir em Portugal alguns problemas com a anorexia e hiper anorexia nervosa e lamentavelmente “mais daqueles que imaginamos”.
Por isso, é preciso ter cuidado com a boca”.
Para esta profissional de saúde, a melhor forma de perder peso é, de facto, ter cuidado com o que se come, mas como é menos penoso ingerir medicamentos que segurar o apetite, as pessoas recorrem às farmácias como auxilio base.



Para perder peso corretamente é preciso recorrer a um nutricionista com um plano alimentar ajustado a cada pessoa, ao seu peso e atividade e aumentar a prática de exercícios.
Um doente visitou esta nutricionista e, a partir daí, conseguiu gerir e cumprir o seu plano alimentar sozinho, com muita força de vontade.
De facto, perdeu 40 quilos em três meses,
- “comecei a comer de uma forma mais equilibrada, e isso significa,
- comer menos quantidade nas poucas refeições que antes fazia,
- aumentar o número de refeições e repartir entre elas.
- Introduzi sopa no menu, o que foi muito importante, fruta e água. Antes bebia pouca e agora bebo pelo menos 3 litros por dia.
- Deixei de comer as porcarias que fazem mal!”.
- O seu segredo? Muita determinação. Não passa fome e nunca deixou de comer e confessa que vai uma vez por mês ao fast food “para tirar desejos “ (…). O truque será aumentar o número de refeições e comer, um pouco, em cada uma delas. Esses são os “ingredientes” para que todos possamos ter uma alimentação saudável e assim ter, também um final feliz.
sandracunha@farmacia.com.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário